quinta-feira, 2 de abril de 2009

Igualdade Para Quem?


Alguém entende de política? Talvez, mas a política foi desumanizada e transmutada pelos próprios políticos. Eles sabem disso? Creio que não. Então eles são inocentes! Também não creio.


É muito complicado julgar a política praticada pelos políticos mundo afora, pois se tornou um establishment, status Quo gerenciado por vários valores, fatores, necessidades, juízo - ou falta dele - , interesses, enfim, uma gama de ítens que se tornaram necessários para se fazer a política contemporânea. E isso é mundial, só que em países desenvolvidos, onde a educação também é desenvolvida (e se desvia menos dinheiro público), as sanções à política espúria são mais severas do que nos países menos desenvolvidos.


Vamos ver o Brasil, onde o político é menos acreditado do que qualquer pai de santo ou cartomante que faz anúncios de panfletagens em sinais de trânsito. Aqui a ordem política, ou melhor, o organograma é: Eu - Partido - Governo(s) - País - Povo. Os interesses vão mais para o lado da próxima campanha, que hoje vale centenas de milhares de reais e, muitas vezes, milhôes de reais para um "simples" deputado federal (e olha que são, se não me engano, 513 páreas, do sofrido povo). Esses camaradas se infiltram no establishment e ali querem permanecer, se possível, para sempre e para que esse "possível" aconteça, eles fazem o impossível. Não pensam no grande grupo de otários que os elegeram e sim em ficar e ficar, pois "investiram" muito dinheiro na campanha e isso se torna uma "empresa" de um sócio, gerente e funcionário que, logicamente, tem que dar lucro, e que lucro hein.

Para assegurarem tudo isso, legislam em causa própria, têm várias comodidades, e proteções legais (que eles mesmo criam) e assim podem achacar empresas, cidadãos, ógãos públicos e tudo mais que tiver na reta, pois depois quem vai responder processos judiciais são os cidadãos normais que representam as entidades a eles relacionadas. E os políticos? Ah, para eles existem as CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), que nome lindo! É, eles se julgam, e no apagar das luzes devem sair para jantar e comemorar a ótima performance de cada um. Antes de mais nada, um político deve ser um ótimo ator, pena que para o mal, se existisse um oscar para eles, coitadinho do Paulo Autran, Fernanda Montenegro, Tony Ramos, com todo respeito (esses são do bem), seriam meros atores coadjuvantes. Um político é o ser mais cara de pau que se possa existir, e o pior é que eles não se dão conta de que são "assassinos" indiretos, pois o dinheiro, melhor dizendo, a verba desviada e achacada daqui e dali está FAZENDO FALTA para o pobre coitado que está morrendo no corredor do hospital, o outro que morreu em um acidente nas péssimas rodovias brasileiras, o coitadinho que vive em um mundo medíocre e irrelevante que não sabe nem assinar o próprio nome, mas SABE VOTAR NOS PÁREAS que não o ajudam a MELHORAR DE VIDA. Assim é melhor, dá dinheiro para esse povinho, só com um dinheirinho de nada ou um saco de arroz eles já ficam satisfeitos, continuam ignorantes e o melhor, VOTAM NA GENTE. ISSO É DESPREZÍVEL, como esse sacanas conseguem deitar a cabeça no travesseiro e dormirem sossegados?

É CULPA DO STATUS QUO .

4 comentários:

  1. Pô, Fila, cê podia se candidatar, hein? Que tal vereador em Jequitibá?

    ResponderExcluir
  2. com o diria odorico paraguaçu, "arriégua!".

    ResponderExcluir
  3. Putz, estou rindo aqui de vocês!

    ResponderExcluir
  4. Já tenho o slogan da campanha:

    Vote no Felipola.
    Pro candidato, grana. Pro eleitor, rola.

    ResponderExcluir